Message

Sinistralidade e Segurança Marítima

A Segurança dos Homens do Mar debatida em seminário


Publicado a: 27 Novembro 2015
Sinistralidade Marítima

O ISCIA acolheu, durante o dia de ontem, o Seminário de Sinistralidade e Segurança Marítima, um evento organizado pela Comissão Permanente de Acompanhamento para a Segurança dos Homens no Mar (CPASHM) e que integrou várias entidades com competências nas áreas da pesca, da segurança, da prevenção, da formação, da saúde e do trabalho.
O seminário, com o auditório lotado, teve como objetivos a análise e a discussão das matérias da especialidade, consideradas relevantes no âmbito da sinistralidade e da segurança marítimas, tais como a segurança, a higiene e a saúde no trabalho, nas vertentes de prevenção e reparação dos acidentes do mar.
Esteve, também, patente uma exposição alusiva às capacidades e valências da Direção Geral da Autoridade Marítima (DGAM) do Comando Geral da Polícia Marítima e do Instituto de Socorros a Náufragos (ISN).

A sessão de abertura foi presidida por Armando Teixeira Carneiro, Diretor do ISCIA, acompanhado de Braz da Silva, Subdiretor-Geral da DGAM, Pimenta Braz, Inspetor Geral da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) e Rafael García Mendéz, Diretor do Centro de Seguridad Marítima Integral Jovellanos (Gijón, Espanha).

Sinistralidade Marítima

Armando Teixeira Carneiro, enquadrando o ISCIA como uma instituição de ensino vocacionada e atenta às necessidades de investigação na área da segurança marítima, referiu que iniciativas como este seminário são verdadeiramente importantes para a prossecução de um objetivo comum à área, a máxima segurança dos homens do mar. Atentando à envolvência estratégia política e social, o ISCIA, dentro da sua realidade e capacidades, tem contribuído constantemente para a formação e consciencialização dos seus estudantes da área.

Braz da Silva, agradecendo a abertura do ISCIA para a realização deste primeiro de uma série de seminários, mencionou que é fundamental, para a Direção Geral da Autoridade Marítima, discutir e aprofundar estas questões, porque apesar dos fortes avanços tecnológicos, dos meios de segurança e de informação disponíveis nas embarcações, os números de sinistros continuam a ser elevados. Daí advém a Comissão Permanente de Acompanhamento para a Segurança dos Homens no Mar (CPASHM) assim como programas como o Mar Seguro e iniciativas como este seminário, na tentativa de reduzir significativamente os números da sinistralidade marítima.

Pimenta Braz alertou para o facto de este setor ser primordial para a missão da Autoridade para as Condições de Trabalho. Deixou o repto de que a ACT irá, em 2016, intensificar as suas ações na área da prevenção e da segurança dos homens do mar, uma vez que é inconcebível a taxa de incidências de acidentes de trabalho, graves e mortais. A ACT quer estar envolvida na estratégia de prevenção e consequente redução da taxa de acidentes e ocorrências nas embarcações.

Rafael García Mendéz apresentou o seu centro de segurança, explicando que este foi desenhado sob uma perspetiva integral de serviços, estando equipado com meios de vanguarda tecnológica, nomeadamente com simuladores de navegação, de salvamento e de intervenção e com recurso a simulacros, com a máxima aproximação à realidade possível. Os seus técnicos são altamente qualificados e especialistas nas áreas de prevenção e segurança marítimas, de proteção civil e ambiental. O objetivo máximo do centro é conseguir, através de formação preventiva, a redução de danos pessoais e ambientais, evitando riscos e acidentes.

Sinistralidade Marítima

 

O primeiro painel, dedicado à Prevenção do Acidente moderado por José Maciel, da Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM) contou com intervenções de Carlota Leitão, da DGRM, de Dionísio Varela, da DGAM e de Cristina Rodrigues, da ACT, nas quais se apresentaram a Convenção STCW-F: os Futuros Desafios da Formação e Certificação dos Pescadores, a Segurança nas Barras e a Cooperação com as Capitanias dos Portos e o Inquérito de Acidente de Trabalho como Instrumento de Prevenção, respetivamente.

Sinistralidade Marítima

Já da parte da tarde, o evento seguiu com o segundo painel, dedicado ao tema Sinistros - Riscos Inerentes à Profissão, com moderação de Duarte Sá, da Associação de Armadores de Pesca do Norte (AAPN) sendo debatido por Pedro Jorge, da Associação dos Armadores das Pescas Industriais (ADAPI) Carina Reis, da Associação dos Armadores de Pescas do Centro e Sul (AAPCS) e José Festas, da Associação Pró-Maior Segurança Dos Homens Do Mar (APMSHM) apresentando as Perspetivas da Pesca Industrial, O papel das Associações na Promoção da Segurança e O Reforço da Segurança nas Embarcações, respetivamente.

Sinistralidade Marítima

O terceiro e último painel do seminário reservou-se para A Resposta à Emergência e a Reparação dos Danos, moderado por João Delgado, da Seguradora Mútua dos Pescadores e contou com as intervenções de Joaquim Simplício, da Mútua, de Santos Serafim, do Maritime Rescue Coordination Centre (MRCC) e Santos Oliveira, Capitão do Porto de Aveiro, que apresentaram A Intervenção da Seguradora no Ciclo do Sinistro Marítimo, o Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo de Lisboa e a Resposta à Emergência e Reparação de Danos, respetivamente.

Sinistralidade Marítima

Perante uma plateia atenta, interessada e participativa, o evento foi encerrado pela voz de Armando Teixeira Carneiro, ladeado por Jorge Manuel Ratola, Vice-presidente da Câmara Municipal de Aveiro, Dionísio Varela, da DGAM e por Rafael García Mendéz, Diretor do Centro Jovellanos, que felicitaram a iniciativa, agradecendo a todos os intervenientes, organizadores, moderadores, palestrantes e participantes.

Sinistralidade Marítima

 

Gravação integral do seminário

 

 

Mais fotografias do seminário

Publicado por ISCIA


Partilhe nas suas redes sociais:

Próximos Eventos


Topo